Chapada dos Guimarães, turismo ecológico em Mato Grosso

O Centro Oeste brasileiro tem alguns dos cenários mais incríveis do país, basta ver alguns destinos como Bonito, o Pantanal e o Jalapão. E com certeza pode ser adicionada a esta lista a Chapada dos Guimarães, com suas belas cachoeiras e formações rochosas, que se misturam à paisagem do cerrado. Se você gosta de aventuras e belos cenários, este é um passeio imperdível para você incluir em suas próximas férias. Agora, se você está com pouco tempo, mas ainda assim quer aproveitar as belas cachoeiras da Chapada dos Guimarães, vale a pena ficar de olho neste roteiro para um bate-volta a partir de Cuiabá.

A Chapada dos Guimarães é uma cidade, localizada a cerca de 70km de Cuiabá. Ela abriga diversas atrações , a maioria delas ligadas ao ecoturismo ou a pontos históricos. A região também conta com ótimos restaurantes. Se você quer passar um dia por lá, vale a pena avaliar bem os lugares que pretende visitar e escolher um deles para aproveitá-lo ao máximo, há alguns passeios que incluem caminhadas longas e duram praticamente o dia todo, portanto fica inviável combinar alguns deles com outras atividades.

O que fazer
Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

O Parque Nacional da Chapada dos Guimarães é a grande atração do lugar. Com mais de 30 mil hectares, reúne cachoeiras, mirantes, formações rochosas, pinturas rupestres e trilhas, tudo isso cercado pela fauna e flora do cerrado. Aqui é possível realizar caminhadas, tomar banho de cachoeira e de rio, praticar ciclismo (em trechos específicos) e fazer a observação de animais. A entrada no parque é gratuita, mas é importante ficar de olho, pois algumas atividades do local exigem agendamento prévio com guias ou condutores autorizados pelo Parque Nacional.

Chapada_dos_Guimarães_02 Rafaelsoares

Dentre as atrações do Parque está o mirante da Cachoeira Véu de Noiva. Com 86 metros de altura, a queda d’água é cercada por um paredão de arenito e fica em um vale em forma de ferradura. Ali também há ninhos de araras vermelhas e elas proporcionam um show à parte aos visitantes. A Cachoeira dos Namorados e a Cachoeirinha também são atrativos bastante visitados no parque – aqui é possível banhar-se e fazer piqueniques.

Outra atração imperdível é o Circuito das Cachoeiras – no qual é possível visitar seis quedas d’água e duas piscinas naturais. Quer ter uma vista incrível do Parque? Então a dica é fazer a trilha que leva ao Morro de São Jerônimo, ponto mais alto, com 800 m de altitude. Mas fique atento – para realizar este passeio é preciso fazer uma longa caminhada, com trechos em aclive e declive, além de uma pequena escalada. Se você for a qualquer uma destas duas atrações, não deixe de passar pela Casa de Pedra, uma gruta de arenito esculpida pelo córrego Independência, que tem até inscrições rupestres.

Natureza de tirar o fôlego

Um dos cartões-postais do parque é Cidade de Pedra, com formações rochosas e vermelhas esculpidas pelo vento e pela chuva. Aqui é possível avistar também as araras vermelhas.

Outra possibilidade para explorar a região é fazer um passeio no Vale do Rio Claro, com caminhadas por áreas com vegetação bem diversificada. Aproveite para subir a Crista do Galo para ter um visual panorâmico dos paredões. Depois, vale ir até Poço da Anta e Poço Verde, onde é possível realizar flutuações para ver peixes.

Atrações além do parque

Há alguns atrativos externos que podem ser visitados, como cachoeiras e até mesmo construções históricas:

Cidade de Chapada dos Guimarães: a cidade que abriga o Parque Nacional também se chama Chapada dos Guimarães. Aqui é possível passear pelas ruas, visitar feiras de artesanato e bijuterias ou até mesmo de produtos agropecuários. Se estiver pelo centro, aproveite para conhecer a Igreja de Nossa Senhora de Santana, que foi construída em 1779 e é considerado o único remanescente barroco autêntico do estado.

Trilha do Matão: a partir do Horto Florestal de Chapada dos Guimarães, você pode fazer uma trilha até uma área pertencente à Aeronáutica.

Mirante do Centro Geodésico da América do Sul: o centro geodésico é um ponto equidistante entre os oceanos Atlântico e o Pacífico – e ele fica em Cuiabá. A partir do mirante, é possível ter uma vista deslumbrante da capital mato-grossense.

Cachoeira da Martinha: localizada a 40 km da Chapada dos Guimarães, trata-se de um conjunto de cinco cachoeiras.

e754545bc74b4b14befe4cf6cd396d41.JPG

Caverna Aroe Jari e Gruta da Lagoa Azul: é um dos passeios mais bonitos da região e fica em uma fazenda particular, a 46 km da Chapada dos Guimarães. A caverna Aroe Jari é a maior gruta de arenito do país e ela impressiona por sua grandiosidade, sua abertura de 10 m de altura.

A Aroe Jari (ou Caverna do Francês) é a maior gruta de arenito do Brasil, com 1 550 m de extensão

Ao final do trajeto, há a Lagoa Azul, com águas cristalinas (mas não é permitido o mergulho por aqui).

Lagoa Azul - Complexo de Cavernas Aroe Jari | Chapada dos Guimarães

Como chegar

A Chapada dos Guimarães fica a cerca de 70 km de Cuiabá. Para fazer este trajeto, você pode alugar um carro e seguir pela rodovia Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), que margeia e corta o parque.

Outra possibilidade para ir de Cuiabá até lá é de ônibus. De acordo com o site da ICMBio (nstituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), há ônibus praticamente a cada 1h30, mas é importante confirmar diretamente com a companhia os horários e se ele é direto (sem paradas no percurso) ou tem parada no Véu de Noiva (Parque Nacional).

Quando ir

O clima na Chapada dos Guimarães costuma ser favorável durante o ano todo. A melhor época para visitar é durante o período de seca, de julho a outubro. No verão (dezembro a março), o clima é mais propício para tomar banhos de cachoeira, no entanto, é um período bastante chuvoso também e, eventualmente, o acesso às quedas d’água pode ser inviabilizado pelas trombas d’água.

No inverno, costuma ter bastante nebulosidade na região, o que pode prejudicar um pouco a vista. No entanto, é neste período que a cidade realiza o Festival de Inverno, com dança, música, teatro, circo, artes plásticas, folclore, artesanato, fotografia, contação de histórias e capoeira.
Também é preciso ficar atento aos horários. Como as trilhas estão, em sua maioria, em ambiente de cerrado, sem sombras, o ideal é evitar caminhar por elas durante os horários mais quentes, das 11h às 15h. A média anual da temperatura na Chapada dos Guimarães é de 25°C.

O que levar

Se a ideia é passar o dia no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, é bom ir preparado para o sol e o calor. Leve protetor solar, água, chapéu ou boné e utilize roupas adequadas. Por se tratar de um ambiente de preservação, não se esqueça de levar sacos plásticos para acondicionar o seu lixo, jamais deixe nada por lá. Em algumas áreas do parque, não há comércios, portanto, é importante que o turista leve lanches para fazer ao longo do caminho.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela All Accor. Edição, Área Jornalística Oitravels.


			

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: