Mendoza, a capital do vinho da Argentina

Mendoza é uma cidade que conquista as pessoas antes mesmo de elas chegarem ao destino. Com a fama que tem de ser uma das cidades mais charmosas da América do Sul, faz sucesso com diversos viajantes.

Mendoza: Conheça o destino | Brasileiros em Ushuaia

Localizada a 1100 km de Buenos Aires, já próxima à Cordilheira dos Andes, essa cidade de clima árido enfrenta dias muito quentes durante o verão, com temperaturas que chegam aos 40 °C, mas durante o inverno elas vão facilmente a 0 °C.

Ou seja, é um lugar que tem que ser muito bem escolhida a data para a viagem, pois suas características mudam de uma estação do ano para a outra.

O que fazer em Mendoza

1. Rota do vinho

Catena Zapata

A Argentina sempre foi considerada um país cujos habitantes consumiam muito vinho. Provavelmente por suas duas grandes origens, em grande parte italiana e espanhola, os ascendentes dos colonizadores encontram na bebida fermentada de uva um hábito recorrente.

Contudo, até os anos 90, os vinhos argentinos não eram apreciados. Foi a partir de então, com o pontapé dado pela vinícola Catena Zapata, que o país começou a prestar mais atenção na produção de vinho.

Eles adotaram diversas tecnologias, mudaram a região do plantio das uvas e até mesmo as uvas que eram utilizadas deram lugar, em grande parte, para a malbec.

O resultado é que hoje a Argentina é um dos grandes produtores de vinho do mundo. Seus rótulos chegam aos restaurantes mais caros e exigentes do globo, justamente porque encontraram a mistura necessária para celebrar o vinho do jeito certo.

Quando mudaram a região do plantio das uvas, Mendoza foi a escolhida, pois tanto a sua terra quanto o seu clima são perfeitos para que as suas 120 vinícolas possam trabalhar de forma qualitativa e quantitativa.

2. Regiões da Rota do Vinho

Ruta del Vino, Mendoza, Argentina | Paisajes, Ruta del vino, Argentina

Para curtir as vinícolas de Mendoza da melhor forma, você precisa passar pelo menos 5 dias por lá. Só assim terá tempo de degustar os diferentes vinhos das regiões distintas.

Com esse tempo, você poderá conhecer a cidade, como suas lojas e restaurantes, além da arquitetura e do lindo paisagismo recorrente em todo canto, mas também terá tempo de ir nas famosas e imperdíveis vinícolas.

Mendoza City tour

Com 6 dias e 5 noites, por exemplo, você também conseguirá conhecê-las de acordo com a região, tendo tempo o suficiente para ir nas três localizações: Luján de Cuyo, Maipú e Valle de Uco.

Em Luján de Cuyo estão as vinícolas mais modernas, aquelas que preferem agregar sabores arriscados, mas interessantes aos seus rótulos.

Já Maipú conta com as empresas tradicionais, porém, que não almejam mais do que a boa produção de vinho de forma convencional e, ainda assim, excelente.

Valle de Uco: en busca de la felicidad | Turismo, Viajes, Argentina

Em Valle de Uco, você vai experimentar bebidas que passaram pelos maiores processos de mudanças, com as modificações para modernizar todo o processo e transformar a sua experiência em um espetáculo.

3. Cidade no verão

Ao planejar a viagem, tenha em mente que Mendoza muda muito de uma época do ano para a outra. As estações aqui realmente fazem a diferença.

No verão, por exemplo, as temperaturas são altíssimas, o que é recomendável que você faça os passeios às vinícolas na primeira metade do dia ou mais para o final da tarde.

O lado bom é que elas estarão carregadas e, dependendo de onde for, você conseguirá colher uvas do pé.

4. Tudo fica diferente no inverno

Já o inverno te levará às celebrações com os cálices de vinho em mãos, tendo em vista que não faltarão opções para você degustar e celebrar sua viagem.

Contudo, ao contrário do verão, o tempo agora é muito mais rígido, e as temperaturas chegam a 0 °C com facilidade durante a noite. Como em quase todas as viagens, ir nas meias estações é a melhor opção.

Outono e primavera oferecem preços mais baixos tanto para ficar por lá quanto para curtir a cidade, além de ser mais vazia.

5. Locomover pela cidade

Para andar de um lado a outro de Mendoza, e inclusive ir de sua hospedagem até as vinícolas, que costumam ser afastadas da cidade, é recomendável que você mantenha as opções que cogitou do aeroporto até o centro.

Não alugue um carro para ir às vinícolas, pois você certamente não vai misturar álcool e volante, correto?

Por isso, se quiser andar de um canto a outro da cidade, saiba que tanto o táxi quanto o remi são excelentes opções, além do ônibus municipal, o qual é um ótimo meio de transporte para conhecer a cidade.

Além disso, saiba que você conseguirá andar por muitos lugares a pé, a não ser que vá às vinícolas, para lá, existem aluguéis de bicicleta também.

Ou seja, há várias opções para se locomover. Faça uso da melhor forma para a sua viagem.

6. Onde comer em Mendoza

No centro da cidade, há diversos restaurantes, dentre os quais se destacam de acordo com suas categorias.

O Fuente y Fonda, por exemplo, é perfeito para o almoço, tendo em vista que mais parece ter saído da casa da avó de alguém. A decoração é retrô e a comida é uma delícia, como é o caso da milanesa napolitana.

Maria Antonieta

Já o Maria Antonieta tem ar francês, mais requintado, mas ainda assim ótimo para você aproveitá-lo durante o almoço, com sanduíches e saladas que se complementam e te levam diretamente ao tempero da gastronomia local.

Se você busca por jantares especiais, há duas opções: Azafrán e Francesco, ambos com meia-luz e mesas mais intimistas, perfeitas para o lado romântico da viagem.

Não perca a oportunidade, então, de experimentar a comida de Mendoza, e se deliciar, se não for nestes restaurantes, em um que te ofereça suas deliciosas parrillas.

Comer bem, em um restaurante com ótima comida, é parte essencial do que fazer em Mendoza. Não perca sua chance.

7. Outros pontos turísticos da cidade

Mendoza

Além das vinícolas e de seu centro repleto de lojas e restaurantes, Mendoza oferece uma boa dose de turismo para você ser feliz.

O principal passeio é o tour Alta Montanha, uma longa caminhada que te proporcionará uma vista incrível das redondezas da cidade e do Dique Potrerrillos, um gigantesco lago de azul profundo.

Além disso, você fará uma caminhada passando por Puente del Inca, culminando nos Andes e chegando até determinado ponto no qual poderá observar as belezas do Aconcágua.

Ainda nesse passeio, o ponto mais alto será em Cristo Redentor de Los Andes, a 3900 metros de altura, bem na fronteira com o Chile.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Mala Pronta Argentina. Edição, Área Jornalística Oitravels.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: