As majestuosas Cataratas do Iguaçu

Quem chega em Foz do Iguaçu tem uma parada certa: as famosas Cataratas do Iguaçu, uma das 7 Maravilhas da Natureza e são consideradas Patrimônio Natural da Humanidade. Localizadas entre Brasil e Argentina, são 275 quedas d’água de até 80 metros de altura, onde é possível ver de pertinho a força e a grandiosidade da natureza.

Como chegar em Foz do Iguaçu

No oeste do Paraná, Foz do Iguaçu é uma cidade fronteiriça que está colada à Argentina e ao Paraguai. O destino tem um aeroporto próprio que fica a cerca de 15 quilômetros do Parque Nacional do Iguaçu e recebe voos de diversas cidades brasileiras, por isso essa é a principal porta de entrada dos turistas.

Como se locomover

As principais atrações ficam mais afastadas umas das outras. O Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu fica a cerca de 15 quilômetros do Parque Nacional do Iguaçu, por exemplo. Mas transporte público não é o forte daqui não, por isso boa parte dos turistas opta por alugar um carro ou usa aplicativos de locomoção.

Melhor época para ir

O destino pode ser visitado ano todo. Mas as Cataratas costumam ter o maior volume de água nas estações mais quentes do ano, ou seja, primavera e verão. O ápice da cheia é entre dezembro e fevereiro, época em que costumam rolar mais pancadas de chuva ao longo do dia.

Entre abril e novembro, a temperatura cai um pouco e as chuvas dão uma boa trégua. Por outro lado, as quedas d’água podem estar um pouco mais secas – mas a verdade é que elas continuam maravilhosas.

O que fazer em Foz do Iguaçu

Obviamente que as famosas Cataratas do Iguaçu vão ser número um da lista, mas a gente prova que existem outros atrativos muito legais para colocar no roteiro. Dentre elas, um dos mais engenhosos complexos hidrelétricos do mundo.

Parque Nacional do Iguaçu (Brasil)

Ao longo de quase três quilômetros de fronteira, o Rio Iguaçu despenca em cerca de 270 cachoeiras. A partir do Parque Nacional do Iguaçu, no Brasil, vemos o lado argentino que tem mais quedas d’água. Vale lembrar que essa foi a primeira Unidade de Conservação do Brasil a ser instituída como Patrimônio Mundial Natural pela UNESCO, em 1986.

As vistas são incríveis e há diversos pontos de observação espalhados pelo local, especialmente para quem encara as trilhas – todas tranquilas e bem sinalizadas. Um dos pontos mais disputados é a vista da plataforma diante da Garganta do Diabo, com seus 80 metros de altura.

O mirante em frente ao Hotel Belmond (o único dentro do Parque Nacional) também é bem bacana, especialmente por ser a primeira parada oficial diante das cataratas.

Dicas práticas sobre a visitação: se tiver de carro, vai precisar deixá-lo do lado de fora do parque, pois internamente os trajetos são feitos a bordo de ônibus específicos (o ingresso dá direito de usá-los durante o dia todo).

Além disso, é recomendável chegar cedo, pois o movimento aumenta muito durante a tarde. Você verá vários quatis pelo caminho, mas apesar de serem fofos, esses animais são selvagens, por isso não coloque a mão nem alimente-os.

Site Oficial: http://cataratasdoiguacu.com.br

Parque das Aves

Depois das cataratas, o Parque das Aves é o segundo atrativo mais visitado da cidade. Lá é possível se sentir no habitat natural de aves nativas da Mata Atlântica e ficar bem pertinho dos animais. O passeio é feito por uma trilha calçada em meio à floresta, onde você irá encontrar diversas aves, como tucano, flamingos, papagaios e outros ilustres moradores.

São 16 hectares de Mata Atlântica preservada com mais de 1.500 aves de 150 espécies, muitas delas resgatadas de maus tratos e do tráfico. É um passeio agradável e divertido para toda a família!

Macuco Safári

Quem puder investir uma grana além do ingresso do Parque Nacional, deve incluir o Macuco Safári ao roteiro. É um passeio extra dentro do parque em que os visitantes embarcam em lanchas rápidas para ficar pertinho das quedas. Vale ter uma troca de roupa na mochila para pode ser trocar e continuar o passeio depois.

O tal Safári ainda inclui uma trilha tranquila pela Mata Atlântica, percorrida parte em uma carreta puxada por carro elétrico e outra a pé. Durante o percurso pela selva, guias apontam o animais e diferentes espécies de plantas. São orquídeas, bromélias e árvores centenárias como a peroba-rosa e a araucária.

Passeio da Lua Cheia

Organizado pelo hotel Belmond Cataratas, este passeio mostra as belezas do parque durante as noites de lua cheia. É outra experiência ver as quedas nesse contexto, elas ficam prateadas por conta da iluminação. E mesmo quem não é hóspede na propriedade pode agendar o passeio.

Aí é só ir um pouco mais cedo do horário marcado ao ponto de encontro do hotel na antiga entrada do Parque Nacional. Em vez de virar a esquerda para a bilheteria, basta seguir pela via principal até essa pequena portaria. Lá, funcionários passarão mais orientações.

Passeio de Helicóptero

Não é lá muito barato, mas o passeio de helicóptero nas Cataratas proporciona uma outra visão das quedas d’água. Lá do alto, as cataratas parecem ainda mais imponentes, portanto é um investimento legal. Pagando um extra, ainda dá para incluir o sobrevoo pela usina de Itaipu.

Parque Nacional Iguazú (Argentina)

Parte das Cataratas do Iguaçu fica em território argentino e os hermanos também tem um parque nacional para celebrá-las. Aqui é parque Nacional Iguazú com muito verde e cenários bem diferentes do que vemos no brasil: você fica mais perto das quedas e as trilhas são mais intensas (são três principais).

A mais icônica é a que leva a Garganta do Diabo e, ao contrário do Brasil, você vê as quedas de cima. A vazão das águas é intensa e queda fica pertinho do mirante, com direito até a névoa de água. Há ainda uma trilha inferior e uma superior que passa por outras quedas das cataratas.

O parque ainda tem um trenzinho (incluso no valor do ingresso) que circula ao longo do dia e leva os turistas para as entradas de cada uma dessas trilhas, o passeio é muito legal porque você vai cortando pelo meio da mata atlântica.

Para ir até lá, há quem faça o trajeto de ônibus, mas quem quer conforto e praticidade, melhor fechar o valor com um táxi ou uber ou ir de carro por conta própria. Na fronteira entre brasil e Argentina, há ainda uma loja duty free. Lembre-se que vai precisa do passaporte ou do RG para a travessia (CNH não vale).

Lado brasileiro do parque está fechado desde o dia 1º de julho 2020.

Usina de Itaipu

Visitar uma hidrelétrica pode não parecer tão interessante de cara, mas deixe esse feeling de lado. A Usina de Itaipu é um lugar que impressiona pela engenharia e estrutura: ela é gigante.

Lá há vários tipos de ingresso, mas o mais comum é o da visita panorâmica a bordo de um ônibus com vários pontos pelo complexo. Você embarca e desembarca para ver as turbinas, as barragens e outros atrativos da usina. Se preferir, existe uma excursão guiada promovida pelo nosso site parceiro.

Lá ainda há outros atrativos como um Polo Astronômico com planetário e experiências interativas como o céu virtual que simula a visão do espaço a partir de qualquer latitude do mundo (entrada à parte).

Marco das Três Fronteiras

Para sinalizar a divisa entre Foz do Iguaçu, Puerto Iguazú (Argentina) e Presidente Franco (Paraguai), o marco é um dos pontos mais fotografados da região diante dos rio Paraná e Iguaçu. Todo mundo faz fila pra tirar foto em frente a placa que sinaliza a localização dos três países Um alerta é que o local é bem turístico, movimentado e os restaurantes não costumam valer muito a pena.

Museu de Cera DreamLand

A mesma empresa que tem um famoso museu de cera em Gramado também tem um endereço em Foz do Iguaçu. Daqueles rolês para não se levar tão a sério enquanto tira umas fotos engraçadas ao lado do Homem de Ferro, Michael Jackson, da Rainha Elizabeth e outras cem estátuas.

City Tour

Uma boa opção é conhecer a cidade através de city tours, que reúnem turistas nos famosos ônibus vermelhos de dois andares. O transporte tem visão panorâmica e conta com um guia que vai contando a história e as curiosidades dos principais monumentos durante o percurso. O passeio tem duração de três horas, passa por dez pontos turísticos e faz três paradas.

Templo Budista

O templo está localizado em uma região alta, de onde é possível avistar parte de Foz e de Ciudad del Este, no Paraguai, e é considerado o segundo maior templo da América Latina. O local faz parte do tour das agências de viagem, mas estas separam pouco tempo de parada, portanto, se quiser apreciar com calma, opte por ir por conta própria – apesar de ficar afastado do centro, há ônibus que leva até lá.

Mesquita Muçulmana

A comunidade muçulmana também tem espaço em Foz Iguaçu – a cidade tem a segunda maior comunidade islâmica fora do Brasil. Quem tem curiosidade, pode aproveitar o tempo para desacelerar e conhecer a mesquita, um suntuoso templo de 15 metros de altura, com arquitetura característica.

É possível visitar por dentro, basta deixar os sapatos do lado de fora e, no caso das mulheres, usar roupas abaixo dos joelhos e um véu para cobrir cabelos e ombros.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Amanda Viaje. Edição, Área Jornalística Oitravels.





Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: