Foz do Iguaçu, o que fazer além das Cataratas

É possível visitar uma das sete maravilhas naturais do mundo… no Brasil. É só ir a Foz do Iguaçu! Com toda a sua diversidade a cidade no Paraná é um dos mais belos destinos turísticos do mundo. As cataratas impulsionam o turismo local e cinco das grandes quedas d’água (ou saltos) são do lado brasileiro: Floriano, Deodoro, Benjamin Constant, Santa Maria e União. A disposição dos saltos, a maior parte deles voltados para o Brasil, proporciona a melhor vista para quem observa o cenário a partir do lado brasileiro. A altura das quedas vai de 40 a 82 metros.

O Parque Nacional do Iguaçu fica na fronteira entre Brasil e Argentina. Com área de 185 mil hectares no lado brasileiro, une-se a outros 55 mil hectares do parque argentino. Em 1986, foi tombado pela UNESCO como Patrimônio Natural da Humanidade por ser uma das maiores reservas florestais da América do Sul.

Melhor época para ir a Foz

Março, abril, maio, setembro e outubro são meses de temperatura mais agradável e de menor fluxo de visitantes. Mas como cada um tem ideias diferentes do que as férias ideais são, antes, de ir é importante pensar como você gostaria de ver as cataratas. Durante o verão, elas estão volumosas e em seu potencial máximo. No inverno, elas ficam mais bem definidas por conta do volume menor de chuva no período.

Nos meses de junho, julho e agosto, a temperatura média fica por volta dos 18ºC e a chance de pegar chuvas é menor. Já no verão, a média de temperatura é de 26ºC e chove bastante. Em setembro e outubro, historicamente, também chove bastante, mas as temperaturas são mais amenas. Foz do Iguaçu recebe turistas durante todo o ano, mas, principalmente, nos meses de férias (julho, dezembro e janeiro), o turismo é ainda mais intenso.

Foto: Reprodução | Divulgação/Loumar Turismo

Há muito mais do que as incríveis cataratas para você explorar em Foz do Iguaçu. Além das belezas da natureza, Foz do Iguaçu também tem passeios culturais interessantes. É lá que fica Itaipu, uma das maiores hidrelétricas do mundo em produção de energia. E dentro do Complexo Turístico de Itaipu o turista pode assistir à Iluminação Monumental da Usina, visitar o Ecomuseu, o Refúgio Biológico Bela Vista, o Polo Astronômico e o Porto Kattamaram, atrativo que reúne conforto e requinte para um memorável passeio pelo Lago de Itaipu. Só é importante ficar atento porque algumas das visitas necessitam de agendamento prévio e têm vagas limitadas.

Foto: Reprodução | Divulgação/H2FOZ

A Ponte Internacional da Amizade fica na divisa com o Paraguai e foi inaugurada em 1965. A obra possui uma extensão de 552,4 metros e um vão livre de 303 metros.

Foto: Reprodução | Divulgação/Pop Hotel

Para quem curte passeios com um tom mais espiritual, Foz também tem opções. O Templo Budista, a Mesquita Muçulmana e a Catedral Nossa Senhora de Guadalupe são os highlights da cidade. O Templo Budista foi fundado em 1996. No local, há o templo propriamente dito e no seu interior existem cinco estátuas de Budas que representam a alegria, a sorte e a saúde.

Foto: Reprodução | Samir Nosteb/Wikimedia

A Mesquita Omar Ibn Al-Khattab foi inaugurada em 1983. Possui área construída de 1.248 m2 , com uma sala oval de aproximadamente 580 m2 para orações, além de dois minaretes (torres) com 31 metros de altura.

Foto: Reprodução | Divulgação/GDia

A Catedral Nossa Senhora de Guadalupe ainda não foi concluída, mas foi planejada em cima do formato de uma Cruz Grega, seu telhado (já concluído) possui três níveis e foi inspirado no manto de Nossa Senhora, na estola usada pelos sacerdotes nas celebrações da santa missa e nas ondulações lembram as Cataratas do Iguaçu.

Desde o ano 2000, o parque passou a oferecer novos serviços, incluindo um moderno sistema de transporte e um Centro de Visitantes, localizado em área externa da reserva. Estão à disposição dos visitantes estacionamento, serviço de informação, sanitários, fraldário, ambulatório médico, posto bancário, telefones públicos, sala para atendimento de guias e operadoras turísticas, loja e lanchonete.

As Cataratas e Parque Nacional do Iguaçu
Foto: Reprodução | Divulgação/A Próxima Viagem

Com certeza o passeio mais esperado por quem vai a Foz é nas Cataratas. Para aproveitar, um aviso é importante: deixe o medo de se molhar em casa! Mesmo que não chova, é inevitável não ficar molhado. Afinal, Iguaçu significa “água grande” em tupi-guarani. Você até pode levar capa de chuva, mas durante os passeios de barco, as proteções são praticamente inúteis. Então relaxe porque ficar molhado faz parte do passeio. O parque abre diariamente das 9h às 17h. Os ingressos podem ser comprados online e custam R$ 50 para adultos e R$ 14 para crianças e idosos.

O rio Iguaçu nasce próximo à Serra do Mar e deságua no rio Paraná. Formadas há aproximadamente 150 milhões de anos, as quedas tornam-se uma frente única em tempo de cheia. Os grandes saltos são 19, apenas cinco estão do lado brasileiro: Floriano, Deodoro, Benjamin Constant, Santa Maria e União. A disposição dos saltos – a maior parte deles voltados para o Brasil – proporciona a melhor vista para quem observa o cenário a partir do Brasil. A Garganta do Diabo é a mais impressionante de todas as quedas. É dividida pela linha de fronteira entre o Brasil e a Argentina.

Espaço Tarobá e Elevadores Panorâmicos
Foto: Reprodução | Divulgação/H2FOZ

Inaugurado em janeiro de 2004, o Espaço Tarobá contempla uma pequena edificação de dois andares que coloca à disposição dos visitantes uma vista quase total das Cataratas. O espaço também dá mais liberdade de movimento aos deficientes físicos, que podem ter acesso até a passarela da Garganta do Diabo por meio dos elevadores e sistema de rampas nas trilhas existentes. Dois elevadores panorâmicos ligam o mirante às passarelas, percorrendo um trajeto de 27 metros de altura, o que permite ao visitante um novo ângulo de contemplação das Cataratas. A nova infraestrutura ainda conta com centro de exposições, posto de informação, deck para observação das quedas d’água, serviços de alimentação e banheiros.

Salto do Macuco
Foto: Reprodução | Divulgação/HCY Travel

O Salto do Macuco, uma cachoeira de cerca de 20 metros de altura, está situada entre rochas milenares, no interior do Parque Nacional do Iguaçu. A visita integra o passeio “Macuco Safari”. Após um trajeto feito em uma carreta puxada por jipe, é realizada uma caminhada em meio à mata, até a cachoeira, que forma um pequeno lago.

Lago de Itaipu
Foto: Reprodução | Divulgação/O Eco

Formado em 1982, com o fechamento das comportas do canal de desvio, o lago possui também 66 pequenas ilhas, das quais 44 estão na margem brasileira e 22 na paraguaia. É considerado o sétimo do Brasil em tamanho, com 29 bilhões de m3 e aproximadamente 170 km de extensão. Com a formação do lago, foram criadas alternativas econômicas que estão sendo exploradas, com a instalação de clubes, praias artificiais, ancoradouros, marinas e parques.

Várias praias artificiais foram criadas ao longo das margens do lago. Além da praia artificial de Foz do Iguaçu, outras também são bem estruturadas e se tornaram excelentes opções de lazer: Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Itaipulândia e Santa Helena.

Trilhas ecológicas e outros passeios

É possível fazer diversas atividades em Foz do Iguaçu. Trilhas, passeios de barco, passeios a cavalo, rafting são algumas das principais coisas que se pode fazer por lá confira uma seleção das trilhas ecológicas e atividades ao ar livre mais legais da cidade.

Parque das Aves
Foto: Reprodução | Divulgação/Panrotas

Próximo ao Parque Nacional, encontra-se o Parque das Aves, onde o visitante pode ver de perto diferentes espécies de aves em seus habitats naturais. São 16 hectares de mata nativa. Aves tropicais raras e coloridas voam em amplos viveiros integrados à exuberante floresta úmida subtropical.

Os visitantes têm a oportunidade de entrar nesses viveiros para conhecer de perto a vida das aves. Além delas, jacarés, sucuris, jiboias, saguis, borboletas e beija-flores encantam os visitantes. Os ingressos variam de R$ 10 a R$60 e o parque abre das Terça a domingo, das 9h às 16h.

Luau nas Cataratas dos Iguaçu
Foto: Reprodução | Divulgação/ GZH Viagem

Quer uma experiência diferente nas cataratas? Durante as estações mais quentes do ano e no período de lua cheia, é possível participar de um luau nas Cataratas do Iguaçu. O passeio começa no Centro de Visitantes do parque, de onde os turistas seguem de ônibus até o Espaço Porto Canoas. A seguir, é feita uma caminhada até o mirante superior do Espaço Naipi, descendo pelos elevadores panorâmicos até o mirante inferior do Salto Floriano. Dali, os turistas acessam a passarela da Garganta do Diabo, contemplando as Cataratas iluminadas pela lua cheia. Após o passeio, os visitantes retornam de ônibus ao Centro de Visitantes. Para mais informações e agendamento é necessário entrar em contato diretamente com o pessoal que organiza o luau.

Trilhas do Poço Preto e das Bananeiras
Foto: Reprodução | Divulgação/ Atlas Cambio

Trilha ecológica de 9 km de extensão, localizada no interior do Parque Nacional. O Poço Preto abriga uma estrada rústica que passa por três córregos até chegar ao rio Iguaçu. O passeio pode ser feito a pé ou de bicicleta (convencional ou elétrica), com acompanhamento de guias bilíngues. Os visitantes passam por uma ponte pênsil que leva a uma trilha rústica de 500 metros do final da trilha se tem uma vista panorâmica da floresta, com destaque para a Lagoa do Jacaré, que concentra grande diversidade de animais aquáticos.

Na sequência, o turista navega em um barco bimotor pelo alto do rio Iguaçu, passando pelo Arquipélago das Taquaras. A partir deste ponto, o visitante pode passear pelo rio em ducks (caiaques infláveis para 2 pessoas). O retorno é feito pelas corredeiras, com passagem pela Ilha dos Papagaios, onde ao nascer e pôr do sol acontecem revoadas de milhares de papagaios. O desembarque pode ser feito tanto no Porto Bananeiras quanto no Porto Canoas.

Bananeiras
Foto: Reprodução | Divulgação/Cassinotur

Esta trilha é mais curta, tem apenas 1,6 km de extensão no interior do Parque Nacional do Iguaçu. Pode ser percorrida a pé ou em carreta puxada a jipe, com acompanhamento de guias especializados. Durante o passeio é possível observar várias espécies nativas da fauna e flora do parque. Ela termina no mesmo ponto que a trilha do poço preto.

Passeio do Porto Canoas

Passeio curto de barco com observação da parte superior das Cataratas do Iguaçu, chegando a aproximadamente 100 metros da Garganta do Diabo e ilhas argentinas para contemplação da fauna e flora aquáticas.

Passeio do Macuco
Foto: Reprodução | Divulgação/ Loumar Turismo

O passeio começa no Parque Nacional do Iguaçu, a bordo de uma carreta puxada por um jipe, onde, durante 3 km, guias bilíngues relatam histórias e curiosidades sobre a fauna e a flora da região. Logo após, há uma caminhada de 600 metros pela trilha, permitindo contato direto com o meio ambiente e conduzindo ao Salto do Macuco, uma cachoeira de cerca de 20 metros de altura. A última e mais emocionante etapa da aventura é a subida pelo cânion do rio Iguaçu em direção à Garganta do Diabo em barcos infláveis bimotores, chegando bem próximo às Cataratas.

Floating

O início do passeio acontece pela Trilha das Bananeiras, percorrida a pé ou em transporte apropriado. Em barcos de floating – uma espécie de barco inflável, totalmente silencioso – o visitante navega partindo do Porto Bananeiras e chegando ao Porto Canoas.

Como se divertir em Foz
Foto: Reprodução | Divulgação/Catraca Livre

Com uma completa infraestrutura para atender até 200 pessoas, o Kattamaram é uma embarcação que tem convés aberto, bar americano, restaurante e solário, ideal para relaxar e contemplar a beleza das exuberantes paisagens ao longo do passeio. No restaurante ainda há um deck que proporciona uma vista incrível do lago de Itaipu. O barco parte do Porto Kattamaram, o último ponto de parada da Visita Panorâmica, e navega beirando a imponente barragem da Itaipu Binacional, com aproximadamente 8km de comprimento, unindo Brasil e Paraguai.

Parques Aquáticos
Foto: Reprodução | Divulgação/Revista sobre Rodas

O Acquamania Park é uma das opções de parques aquáticos da cidade que possui piscinas abastecidas pelas águas termais do Aquífero Guarani, considerado o maior reservatório de água doce do mundo. Suas águas têm temperatura que variam de 33º C a 37º C. O local conta com área de lazer, tobogãs gigantes, piscinas com cascatas artificiais.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Trivago Magazine. Foto de Portada Divulgação/Falando de Viagem. Edição, Área Jornalística Oitravels.

Reservamo-nos o direito de corrigir eventuais erros de publicação deste material, Oitravels não é responsavel por material gráfico que não expresse claramente o copyright.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: