Estátuas de bronze na orla do Leme ao Leblon

Escritores, cantores, compositores, jornalistas, músicos algumas ilustres pessoas que foram importante no vida do Rio de Janeiro e do país agora fazem parte do cenário da orla do Rio de Janeiro. Foram imortalizados em estátuas de bronze, em tamanho real, sem pedestal, representados em uma cena do seu cotidiano, estão ali, bem próximos dos transeuntes, para um carinho, uma foto.

Da Pedra do Leme ao mirante do Leblon são 8,7 km passando pelas praias do Leme, Copacabana, Arpoador, Ipanema e Leblon. Ao todo são sete estátuas que cada vez mais atraem a atenção de turistas e moradores que fazem questão de serem fotografados ao lado do homenageado. Dentre estas a estátua do poeta Carlos Drummond de Andrade é a mais disputada e fotografada.

Passeando pelo famoso calçadão em pedra portuguesa, criado pelo paisagista Burle Marx, nos anos 70, com o típico desenho carioca das ondas do mar, você terá a oportunidade de contemplar a deslumbrante paisagem da orla e apreciar as esculturas em bronze de importantes personalidades brasileiras.

1- Clarice Lispector
Foto: Reprodução | Divulgação/Pinterest

Trata-se da primeira estátua de bronze de uma artista mulher no Rio de Janeiro. Inaugurada em 14 de maio de 2016, a escritora foi esculpida ao lado do cachorro Ulisses pelo artista Edgar Duvivier. O Leme foi o local escolhido pois Clarice viveu nele durante doze anos.

A escultura em bronze de Clarice Lispector está instalada na mureta da Pedra do Leme, próximo ao Posto 1. As fotos tiradas de lá ficam belíssimas, emoldurando o quadro temos a vista da paisagem da orla de Copacabana, o Morro Dois Irmãos e a Pedra da Gávea.

A Praia do Leme é a continuação da Praia de Copacabana que termina numa formação rochosa, a Pedra do Leme. Nesta pedra está o mirante do Leme cercado com muretas apropriadas para sentar-se e apreciar a visão de toda a orla. Possui também um quiosque para atendimento do público em geral, ideal para tomar uma água de coco, ou mesmo uma cerveja bem gelada.

2- Ary Barroso
Foto: Reprodução | Divulgação/Orla Rio

Caminhando 400 m da Pedra do Leme à porta do restaurante La Fiorentina, Avenida Atlântica, 456 encontra-se a estátua de Ary Barroso, compositor brasileiro de música popular, ficou famoso pelos seus sambas e  especialmente pela música “Aquarela do Brasil”. Criado em 2002, o monumento foi uma solicitação dos moradores do bairro para homenagear o compositor que passou seus últimos 40 anos no bairro do Leme.

3- Carlos Drumond de Andrade
Foto: Reprodução | Divulgação/Copacabana

Considerado por muitos o mais influente poeta brasileiro do século XX. Sem dúvida alguma é a estátua de bronze mais famosa do Rio de Janeiro. Sentado num banco do Posto 6, na Avenida Atlântica, altura da rua Francisco Sá, na praia de Copacabana, é um convite a todos que passam, de turistas a moradores, para posar ao seu lado e tirar uma foto, ou simplesmente sentar, descansar, conversar e apreciar o movimento do calçadão na companhia do poeta. As pessoas fazem questão de abraçar a estátua, alisarem a careca, ou imitarem à postura serena, contemplativa e convidativa a uma prosa.

Inaugurada em 30 de outubro de 2002, imortalizado pelas mãos do mineiro Leo Santana, a estátua passou a ser unanimidade no Rio de Janeiro. É a estátua de bronze mais procurada pelos turistas e é por muitos abraçada e admirada.

4- Dorival Caymmi
Foto: Reprodução | Divulgação/ Thiago Lontra / Agência O Globo/Pinterest

Seguindo adiante pelo calçadão de Copacabana logo a uns poucos metros depois da estátua de Drumond, próximo ao Forte de Copacabana, ao lado da Vila de pescadores, no Posto 6, encontra-se a estátua de Dorival Caymmi.

De pé, carregando o seu violão Dorival Caymmi saúda quem passa. Músico e compositor de várias músicas de grande sucesso popular como: Maracangallha, Marina, O Mar, Suite do Pescador e a lendária “O que é que a Baiana Tem” dentre várias outra músicas, este baiano cantou como ninguém as belezas da Bahia e do mar.
Por muitos anos morou em Copacabana e foi homenageado em dezembro de 2008 com uma estátua de bronze colocada próximo ao mar que o inspirou nas suas canções.

5- Millôr Fernandes
Foto: Reprodução | Divulgação/Wikipédia

Do outro lado do Forte de Copacabana, seguindo-se pela Rua Francisco Otaviano e atravessando o Parque Garota de Ipanema chega-se a Praia do Arpoador onde está a homenagem ao Millôr Fernades.

Inaugurada em 27 de maio de 2013, a homenagem ao desenhista, humorista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista brasileiro é o único monumento que não é de bronze. A escultura é formada por um banco confeccionado em aço com uma imagem vazada representando a silhueta de Millôr.
Instalada no Largo do Millôr, ponto entre a Praia do Diabo e a pedra do Arpoador a silhueta do Millôr traduz o prazer que o cartunista tinha em ver o por do sol visto por aquele ângulo.

Sentado no banco do Millôr tem-se uma visão de toda a faixa de areia da Praia de Ipanema, e ao fundo o Morro Dois Irmãos, e a Pedra da Gávea. No verão turistas e cariocas costumam reunirem-se na Pedra do Arpoador para apreciar e aplaudir o bonito espetáculo do por do sol.

6- Tom Jobim
Foto: Reprodução | Divulgação/InfoEscola

A escultura, em tamanho natural, retrata Tom Jobim jovem, nos anos 60, de terno de linho branco, caminhando tranquilo carregando um violão nos ombros. Feita pelas mâos da escultora Christina Motta, autora também da escultura de Brigitte Bardot em Búzios, foi inaugurada em 08 de dezembro de 2014.

Localizada no calçadão de Ipanema, no início da Avenida Vieira Souto, próximo ao Arpoador, a homenagem foi feita para comemorar os 20 anos de saudade do Tom Jobim que cantou a cidade e principalmente Ipanema para o mundo, imortalizado com a canção Garota de Ipanema considerada o hino da Bossa Nova.

7- Zózimo Barroso do Amaral
Foto: Reprodução | Divulgação/Sou Leblon

Jornalista e colunista político e social trabalhou no Jornal do Brasil e chegou a ter a sua própria coluna no jornal O Globo. Fez história no jornalismo brasileiro com suas notas diárias cheias de humor sutil e elegância.
A escultura de pé, com o paletó seguro pelos dedos na altura do ombro, observa impassível a praia do Leblon e Ipanema, e tem como detalhe uma máquina de datilografia ao lado.

Está localizada no final da praia do Leblon, no Posto 12, quase na subida da Avenida Niemayer. Inaugurada em 25 de novembro de 2001 foi feita pelo artista plástico Roberto Sá.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Viagens Vamos Nessa. Foto de Portada Divulgação/ Thiago Lontra / Agência O Globo/Pinterest. Edição, Área Jornalística Oitravels.

Reservamo-nos o direito de corrigir eventuais erros de publicação deste material, Oitravels não é responsavel por material gráfico que não expresse claramente o copyright.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: